sábado, 29 de maio de 2010

Estória Breve dos Cometas



Excerto do meu novo livro, (Pág. 10).
"ESTÓRIA BREVE DOS COMETAS"
a sair em Junho
  -
 (…) Muitos dos (cometas) que vieram a seguir, foram associados a guerras e catástrofes e até, à ideia da destruição total da Terra.
Em 1531, Luísa de Sabóia, mãe de Francisco I, já na cama da morte, dizia fitando o cometa que estava no céu e que via através da janela: "Eis aí um aviso que não parece mandado a pessoas de baixa condição. Deus no-lo manda para nos advertir. Preparemo-nos para morrer."
William Shakespeare (1564–1616), na mesma linha de pensamento escreveu: "Quando os mendigos morrem não há cometas à vista: os próprios céus anunciam a morte dos príncipes."
Esta ideia de que os avisos do céu eram dirigidos às personagens mais importantes, vinha de longe. Pensa-se hoje que a astrologia datará de há mais de 15 milénios, na Mesopotâmia. Mas os primeiros astrólogos de que há registo, no Ocidente, são de há cerca de 4. 000 anos, quando foi estabelecido o Zodíaco. Estas práticas de adivinhação, provindas dos caldeus, espalharam-se pela Grécia, Babilónia e Roma. 
Os astrólogos ocuparam-se, nos seus inícios, de prever a sorte de monarcas e  países. (…) ,
Numa página do livro: 3 cometas
.

segunda-feira, 24 de maio de 2010

LUNETA


.

A PRIMEIRA LUNETA ASTRONÓMICA
.
A primeira luneta astronómica de que há memória, foi construída por Galileu Galilei. Tratava-se dum aparelho óptico rudimentar, que pode ser considerado o percursor dos modernos telescópios. O mês de Janeiro de 1604 ficou para a história da astronomia, como a data em que, através dela, o célebre sábio de Florença descobriu as quatro mais importantes luas de Júpiter – Io, Europa, Ganimedes e Calisto, por ordem de proximidade ao planeta. Também foi ele o primeiro a provar a realidade do sistema heliocêntrico (que tinha sido proposto por Copérnico), refutando a antiga crença de que a Terra era o centro do Sistema Solar e do Universo. Para além disto, nos domínios da astronomia –, foi ele o primeiro a observar e calcular a altura das montanhas da Lua, baseando-se nas sombras que o Sol projecta nas suas crateras, e a verificar a existência de fases, no planeta Vénus, à imagem do que se passa com as conhecidas fases do nosso satélite natural. O céu que observara através da luneta, também lhe permitiu concluir que a Via Láctea não era uma nuvem (como até aí se julgava), mas sim um enorme conjunto de estrelas, a galáxia de que o Sol faz parte.
Hoje sabe-se que esse número é superior a duzentos mil milhões (200. 000. 000. 000).

quarta-feira, 19 de maio de 2010

VÉNUS

PLANETA : VÉNUS.... planetas #3


A verdadeira natureza de Vénus só veio a ser conhecida depois de 1960, quando foi possível observá-lo na banda das ondas-rádio.
Até então, pensava-se que planeta estaria coberto de espessa vegetação, com oceanos de água ou de hidrocarbonetos e uma espessa atmosfera.
Também muitos acreditavam que fosse habitada pelos venusianos.
Os primeiros observadores do céu julgavam que Vénus não seria um planeta, mas sim dois, pelo simples facto de que geralmente só é facilmente vista pela manhã e depois à tarde. Na verdade, pelo facto de girar mais perto do Sol do que nós, (e embora seja o objecto mais brilhante do céu, a seguir ao Sol e à Lua), não é fácil vê-la em pleno dia. Assim, é tanto conhecida pela “estrela da manhã”, como pela “estrela da tarde”.
Na verdade, o planeta gira em volta do Sol, de leste para oeste, ao contrário da Terra. Um dia, em Vénus, equivale a 243 dias terrestres, sendo maior que o ano venusiano, que tem apenas 225 dias!

Tal como a Lua, é vista da Terra, num ciclo de fases, como a que se pode observar na gravura.
O planeta é conhecido desde tempos pré-históricos e é curioso que os maias elaboraram calendários que se baseavam no ciclos de Vénus.
Vénus é muito parecida com a Terra, em diversos aspectos: é um astro rochoso, constituiu-se a partir da mesma nebulosa, ao mesmo tempo que a Terra e tem uma massa, densidade e volume apenas ligeiramente inferiores. A sua distância ao Sol de cerca de 108 milhões de quilómetros comparados com os 150 milhões (uma unidade astronómica), que nos separam do astro-rei.
Quanto ao resto, sabe-se hoje, possui uma enorme e espessa atmosfera constituída por anidrido carbónico, praticamente sem vapor de água, não tendo oceanos.
As suas nuvens contêm gotículas do corrosivo ácido sulfúrico, uma pressão atmosférica, à superfície, mais de noventa vezes a que temos na Terra e temperaturas de 480º centígrados! Esta temperatura é devida principalmente ao efeito de estufa causado pelo anidrido carbónico.
Assim sendo, as primeiras sondas terrestres que para lá foram enviadas, não conseguiram vencer esses obstáculos e desfizeram-se ao descer na corrosiva e pesadíssima atmosfera, antes de poder enviar informações úteis.
Recentemente têm recorrido a outros métodos, para melhor conhecer o planeta, já que a atmosfera do planeta impede fotografar a sua superfície.
Utilizam-se radiotelescópios, sistemas de radar e sondas que se aproximam do planeta. Sabe-se agora que essa superfície é relativamente recente, onde existem grandes planícies cobertas de lava e rochas vulcânicas, atravessadas por correntes de lava e canais que se estendem por centenas de quilómetros
.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

O bosão de Higgs


 É ponto assente, entre os astrónomos e os físicos, que o nosso universo se constituiu há cerca de 13.500 mil milhões de anos, a partir dum ovo cósmico – como lhe chamou o padre católico Georges Lemâitre (1927), tido como o  pioneiro da teoria do Big Bang.
Depois disso, foi possível ir reconstituindo os passos que levaram à constituição das galáxias e das estrelas, até ao dia de hoje. A teoria do Big Bang começou a ganhar expressão quando o astrónomo Edwin Hubble  mostrou que o universo está em expansão. 
Assim sendo, e como base em dados que se iam conseguindo, "colocaram o filme ao correr ao contrário" e, inevitavelmente chegaram ao princípio – o tal ovo cósmico. O modelo que foi concebido para o nosso universo, engendrado a partir das observações e medições que hoje se vão acumulando, está praticamente pronto.
É um assunto complicado, a bem dizer só para especialistas em física atómica e das partículas, e matemática.
Mas, há pontos obscuros, mormente ao nível dos constituintes dos átomos. No interior deste já foram detectadas mais duma centena de sub partículas. No entanto falta uma, de grande importância: o bosão de Higgs, assim chamada. O transcendente problema é saber qual a partícula que confere massa a todas as coisas. O bosão de Higgs (por ora teórico, proposto por Higgs), resolveria a questão. 
Para conseguir detectá-lo são necessárias energias verdadeiramente astronómicas e elas deverão ser aplicadas em choques de protões, a velocidades próximas da luz, de molde a fraccionar os ditos protões que deverão conter os famosos bosões.
Para isso está construído e operacional o Large Hadron Collider (LHC), projecto que o Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN), tem instalado próximo de Genève, entre as fronteiras Suíça e da França. Foi construído a cem metros de profundidade e é tem um anel cujo perímetro é de 27 quilómetros.
As partículas são atiradas umas contra as outras, dentro do anel oco, e aceleradas por 9.300 ímanes gigantes supracondutores, que foram refrigerados durante dois anos, até atingir - 271,3º Célsius – um pouco acima do zero absoluto.
O projecto, para o qual contribuíram países europeus, mas também os EUA, Índia, Rússia e Japão (e também Portugal), custou 3,76 mil milhões de euros. Nele participaram mais de 10 mil cientistas e engenheiros.
Os primeiros resultados só são esperados dentro duns dois anos.

sábado, 8 de maio de 2010

A DIVISÃO DIÁRIA DO TEMPO


 
Embora o grande físico e cosmologista inglês Stephen William Hawking, mostre matematicamente que o tempo "é uma abstracção", a verdade é que, para a nossa vida diária, foi necessário inventar uma qualquer maneira de medi-lo.
Desde muito cedo, os antigos preocuparam-se em medir o tempo. Não só no que dizia respeito às modificações que iam constatando acontecerem durante o ano, como também ao que viam acontecer com o correr do dia. Desde que a agricultura passou a fazer parte integrante das suas vidas, e em face das diferentes condições climatéricas que se iam processando ao longo do anos, tornou-se necessário saber as épocas mais favoráveis para fazer as plantações e as colheitas. Os primeiros calendários tinham essa finalidade.
Mas hoje vamo-nos ocupar apenas do facto quase bizarro de, ainda hoje, o dia e a hora não se enquadrarem no sistema decimal. 
Se dividimos a hora em sessenta minutos e o minuto em sessenta segundos, é apenas porque na importante cidade que era Babilónia era praticado o sistema sexagesimal. O número sessenta  permite múltiplas divisões.  
Os babilónios dividiam o dia em 24 «parasangs», equivalentes a 720 estádios, uma medida de comprimento, da época, sendo que um estádio equivale a 7.420 metros. E isto, porque pensavam eles, um caminhante lesto era capaz de percorrer essa distância no vinte quatro avos do percurso diário do Sol!
Deve-se a Hipalco, um grego que viveu no século II a.C.,  a introdução do sistema, na Grécia e depois  no resto da Europa.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

O CICLO SOLAR DOS ONZE ANOS

O Sol # 4

Conhece-se, com algum rigor, o comportamento do Sol, ao longo dos mais recentes anos, no que respeita à actividade interna e consequente produção de energia. O gráfico que apresentamos assim o demonstra, pois refere-se a um período de quase cem anos.
A sua vida é regulada por diversos ciclos, de que são relativamente bem conhecidos, o ciclo solar dos onze anos - também conhecido pelo período do sol quente, que pode ter variações de dez ou mais por cento - e o de vinte e dois, também chamado período magnético do Sol e que se crê ser responsável por determinadas mudanças periódicas que afectam o clima da Terra.
A título de curiosidade, diremos que também há fortes suspeitas de outros ciclos, de períodos de tempo mais alargados.
Na prática, o primeiro, caracteriza-se pelo aumento ou diminuição das manchas solares.
Ao analisar estratos em rochas de Flinders Range (Austrália do Sul) foi possível aos cientistas estabelecer uma relação com o primeiro desses citados ciclos. Esses estratos mostram camadas de detritos que sedimentaram (cascalho, areia, sais de ferro, terra), com um padrão que se repete de onze em onze camadas e uma gradação regular e bem nítida. As rochas em análise são do período Pré-Cambriano, cem milhões de anos antes dos primeiros registos das famosas trilobites! Os depósitos foram-se formando pelo degelo anual dum glaciar que então existia na região e as camadas sedimentares observadas mostram-nos algo do que se terá passado, em termos climatéricos, durante anos sucessivos, nessa época remota.
É fácil de deduzir que, quanto maior o degelo, mais deveriam ter sido os sedimentos acumulados. E que esses degelos foram uma consequência da maior ou menor actividade solar. Assim, concluíram os cientistas, o Sol tem tido um comportamento regular desde há pelo menos seiscentos milhões de anos, no que respeita a este ciclo e é provável que desde então venha consumindo sensivelmente os mesmos 600 milhões de toneladas de hidrogénio por segundo, basicamente transformando-os em hélio e energia.
Agora, o Sol já prepara-se para entrar num novo ciclo.