segunda-feira, 25 de outubro de 2010

A Sonda Kepler

.

Johannes Kepler
Johannes Kepler (1571 — 1630) foi matemático e astrónomo, e um importante vulto da revolução científica que teve lugar no século XVII.
Foi ele quem formulou as três célebres leis fundamentais da mecânica celeste.
Essas leis permitiram a Isaac Newton elaborar a sua teoria da gravitação universal.
Em sua homenagem, foi lançada, em 2009, a sonda que leva o seu nome,  e que tinha como missão principal detectar planetas extra-solares Ela deverá observar umas 10.000 estrelas, durante 4  anos.
Mas, mais recentemente, foi atribuída uma outra missão à sonda. Ela irá procurar identificar objectos da nuvem de Oort, que se crê ser um imenso repositório de futuros cometas. A nuvem de Oort, proposta por Yan Oort, em 1950, estender-se-ia até aos limites do Sistema Solar, envolvendo-o em todos os sentidos, como a casca duma laranja, passe a expressão.
O método a ser utilizado para detectar esses pequenos corpos é o mesmo que está a ser utilizado para detectar planetas girando à volta doutros sóis.
Quando um deles passar em frente duma dada estrela, a luminosidade desta, baixará ligeiramente durante o tempo em que o objecto estiver no enfiamento da observação. Instrumentos muito precisos de medida, determinarão depois as dimensões dos objectos em causa.

sábado, 16 de outubro de 2010

O NEUTRINO

.
Uma partícula quase fantasma
.
O número de neutrinos que chega à Terra é colossal. Têm características que os tornam quase indetectáveis, porque são partículas electricamente neutras (tal como os fotões), e ainda muitíssimo mais pequenas que eles. Assim, não são atraídos ou repelidos pela matéria comum e passam facilmente por entre ela, sem esbarrar com os núcleos de todos os elementos da natureza (atravessam o nosso corpo, em todos os sentidos, sem que demos por isso e sem nos causar qualquer dano), podendo também atravessar de lado a lado toda a Terra, (e mesmo o Sol), sem praticamente interagir com a matéria.
A existência desta partícula quase fantasma, tinha sido proposta pelo físico austríaco Pauli, em 1930, para tentar explicar determinados problemas que se punham com a desintegração do neutrão. Mas foi Enrico Fermi, ainda no mesmo ano de 1930, que elaborou um modelo para o átomo, que incluía o neutrino. Como era italiano, chamou-lhe neutrino, ou seja: pequeno neutrão.
A existência da partícula acabou por ser provada. Uma das primeiras experiências, foi feita no Japão, envolvendo 50. 000 toneladas de água. O neutrino, de onde em onde, embora muito raramente, acaba por interferir com a matéria e produzir luz, que era captada e registada num dos 17. 000 tubos que compunham o sofisticado equipamento.
Porém, subsiste um mistério, como anteriormente referimos. Porque é que chegam à Terra muito menos neutrinos dos que são previstos teoricamente?
Haverá qualquer coisa que ainda não foi bem compreendida nessa partícula fantasma, ou haverá algum erro importante, nos mais recentes modelos que procuram explicar o funcionamento do Cosmos?

sábado, 9 de outubro de 2010

CONSTELAÇÃO DE VIRGEM (2) - Mitologia

 .
Como ficou dito na anterior postagem, as constelações são grupos imaginários de estrelas.
Os antigos, conforme as civilizações, viam nelas objectos do quotidiano, figuras míticas, deuses, animais… E, à volta dessas configurações, se teciam a mais variadas lendárias peripécias e enredos.
A constelação de Virgem (constelação do Zodíaco) representa uma jovem e são inúmeras as histórias como ela relacionadas.
Não as referiremos. Apenas mostramos a sua imagem, tal como foi imaginada, a partir das estrelas mais brilhantes da constelação.
É bem de ver, que nelas se podia inscrever o que quer que fosse.
E então, os nativos de Virgem, teriam outros atributos e outro destino…
.
* Comparar a imagem com a da anterior postagem

sábado, 2 de outubro de 2010

CONSTELAÇÃO DE VIRGEM

.
imagem Google

 A constelação da Virgem é um imaginado agrupamento de estrelas, pouco expressivo, próximo da constelação de Leão e que pode servir-lhe de referência.
Das suas estrelas há a destacar a α, Spica (também chamada Espiga), uma estrela azul esbranquiçada, intrinsecamente muito brilhante, a 280 anos-luz de nós. Se estivesse à distância que está Sírio (a mais luzidia dos nossos céus) seria umas noventa vezes mais brilhante!
Aquilo que à vista desarmada parece ser uma só estrela, a γ, Porrima, é, na verdade, um par de estrelas muito próximas e muito parecidas, que orbitam em torno uma da outra. Por estes tempos confundem-se numa só, pois se encontram no enfiamento uma da outra, em relação a nós. Esse movimento recíproco dura uns 170 anos.
Outra estrela a realçar é a ε, a Vindimadora, uma gigante amarela à distância de 100 anos-luz.
O fundo da constelação é muito rico em galáxias, particularmente o chamado Enxame de Virgem (cerca de 3.000), a 45 milhões de anos-luz, onde pontifica a gigante M87 (assim catalogada por Messier), que se julga ter um enorme buraco negro, no seu centro. Daí emana uma fortíssima fonte-rádio, conhecida como Virgem A.