terça-feira, 30 de agosto de 2011

M 71

O enxame de estrelas M 71 ( Messier 71, ou NGC 6838) foi descoberto por Philippe Loys Chéseuax, no ano já distante de 1780, na constelação de Sagitário.
Trata-se dum cúmulo de estrelas, fechado, relativamente jovem, a 12.000 anos-luz, de nós. 
A distância máxima entre as estrelas que o compõem, é de 27 anos-luz. 
créditos: NASA e ESA
Não é visível à vista desarmada, embora a sua luminosidade global seja equivalente a mais de 13.000 sóis!

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

A FEBRE DO OURO

Aproxima-se velozmente da Terra uma nave espacial comandada pelos computadores sapiens α e sapiens β, trazendo a bordo o autor de “A Febre do Ouro”.
A aterragem está prevista para as 21 e 30 do próximo sábado, junto aos antigos Paços do Concelho de Lagos, na Feira do Livro, onde o autor apresentará essa sua última obra.
Também estará patente “Algarve Ontem”, saído recentemente.
.
Pode ler algumas passagens do livro  aqui

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

A LUNETA DE GALILEU

 .

A PRIMEIRA LUNETA ASTRONÓMICA





A primeira luneta astronómica de que há memória, foi construída por Galileu Galilei. Tratava-se dum aparelho óptico rudimentar, que pode ser considerado o percursor dos modernos telescópios. O mês de Janeiro de 1604 ficou para a história da astronomia, como a data em que, através dela, o célebre sábio de Florença descobriu as quatro mais importantes luas de Júpiter – Io, Europa, Ganimedes e Calisto, por ordem de proximidade ao planeta. Também foi ele o primeiro a provar a realidade do sistema heliocêntrico (que tinha sido proposto por Copérnico), refutando a antiga crença de que a Terra era o centro do Sistema Solar e do Universo. Para além disto, nos domínios da astronomia –, foi ele o primeiro a observar e calcular a altura das montanhas da Lua, baseando-se nas sombras que o Sol projecta nas suas crateras, e a verificar a existência de fases, no planeta Vénus, à imagem do que se passa com as conhecidas fases do nosso satélite natural. O céu que observara através da luneta, também lhe permitiu concluir que a Via Láctea não era uma nuvem (como até aí se julgava), mas sim um enorme conjunto de estrelas, a galáxia de que o Sol faz parte.
Hoje, sabe-se que esse número é superior a duzentos mil milhões: (200. 000. 000. 000)!

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

CHUVA DE ESTRELAS DE AGOSTO

Estamos no período das Perseides – uma chuva anual de estrelas cadentes – que vai ter o seu pico nas noites de 12 e 13 de Agosto. Infelizmente, para os observadores destes interessantes fenómenos astronómicos, a Lua estará cheia, Sábado, dia 13, o que limitará muito a visibilidade desses objectos.
Os meteoritos que vêm na direcção da Terra e se inflamam ao atingir as altas camadas da atmosfera, aí pelos 80 mil metros do solo, são restos dum cometa – o Swift-Tutlle, que volta às imediações da Terra, todos os 130 anos. Quando a Terra, no seu curso anual passa relativamente perto dos pequenos pedaços de matéria que o cometa ejectou, eles são atraídos pelo nosso planeta. O nome Perseides, tem a ver com a zona do céu donde parecem vir: a constelação de Peuseu.
Há referências a esta chuva de estrelas desde há mais de 2 mil anos, provenientes do Estremo Oriente.
Esperam-se cerca de cem meteoritos por hora, embora, como foi referido, a claridade da Lua ofusque a maioria.
Por curiosidade, refira-se que os católicos lhes chamam lágrimas de S. Lourenço.