sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Supernova Nova Cygni 1992

.


 ,
O fenómeno super-nova é bem raro. Isso acontece quando uma estrela de grande porte entra em colapso energético. Na nossa galáxia têm acontecido umas poucas, registadas desde 1300 a. C. Porém, as que melhor ficaram conhecidas foram a que foi observada pelos chineses e por índios americanos em 1054, e que deu  origem à nebulosa dita do Caranguejo; a que o famoso astrónomo Tycho Brahe viu, na constelação da Cassiopeia, em 1572; outra, observada por Johannes Kepler, na constelação da Serpente, em 1604, e algumas mais recentes, vistas só através dos telescópios. De destacar a que aconteceu na Grande Nuvem de Magalhães (uma pequena galáxia, satélite da Via Láctea), em 1987, e que foi vista à vista desarmada.
Na imagem vemos a Nova Cygni 1992, na constelação do mesmo nome, fotografada pelo Hubble, e que se encontra a mais de 10 mil anos-luz, de nós. Com algum tempo de intervalo, pode constatar-se o anel resultante da explosão que, aliás, continuará a expandir-se de durante milhares de anos.
.
Veja também a nova postagem em Extraterrestres - aqui A FEBRE DO OURO (2) 


domingo, 25 de setembro de 2011

A FEBRE DO OURO

-
 Do meu recente livro de ficção extraterrestre
(...) Por esse tempo, na Terra, construíam-se os primitivos observatórios providos de óculos capazes de ver para além do que é possível ver de humana vista. Galileu desvelara os primeiros segredos de Júpiter e seus satélites. Inspirado em Platão e Pitágoras, o matemático Kepler deduzira que Deus era um confrade, um geómetra!, e Tycho Brahé, de tanto olhar, compreendeu ser o Espaço mais fundo que a lonjura do pensamento humano e do seu sonho. As estrelas e as constelações, o Sete-Estrelo, a que os maias chamavam Tzab (a cobra-de-assobio), Perseu e Hércules, Aldebaran, o olho do toiro dos árabes, e até planetas, como a bela, lasciva Vénus dos latinos, tomada por um deus-mau... no Yucatan, ou o sombrio Saturno – só para citar uns poucos da ninhada – iam perdendo o lustro de criaturas divinas que se entretinham, no seu devaneio ou solidão, a lançar deleites ou maldições, sobre a Terra.

O homem cansava-se da destemperança dos deuses, do seu fútil jogo de marionetas. E, de tudo o mais, quanto se podia ver e perceber, e de todo o entendimento do que era para ser entendido, o nosso Sol igualmente se reduzia à condição de mera bola de fogo, como o velho sábio jónico antevira, um milhar de anos antes (o que, aliás, lhe valeu ter sido desterrado, pelos insaciáveis senhores do trono!)
E assim, todos estes sóis regionais – estes deuses de fogo que ardem em cinzas a nossa passagem breve –, o querido e formosíssimo Ahura-Mazda das minhas raízes indo-europeias, o Kinich-Ahau, dos maias, o sumério Shamash, cujos seguidores o julgavam dormir nas profundezas do Norte, esse esplendoroso e esbelto Amaterasu, brilhando em céus de púrpura e jade, a Oriente, ou o deus dos aztecas – este, um disco redondo, em oiro maciço... de uma braça de diâmetro! –, tinham, finalmente, sido relegados para os domínios do mito.
Inexoravelmente.
Mas estava-se ainda longe de pensar em viajar para as estrelas.
,
pág 10

terça-feira, 20 de setembro de 2011

SUPERGIGANTE VERMELHA

Antares é uma estrela de colossais dimensões, que se pode ver a meio de Escorpião. Como é a mais brilhante da constelação, é-lhe atribuída a letra grega alfa.
Sendo uma supergigante vermelha, tem no entanto, associada a ela, uma outra estrela, umas quatro ou cinco vezes maior que o Sol, gravitando muito longe, a mais de 500 vezes a distância Sol/Plutão! De referir que Plutão fica umas 49 vezes mais longe do nós, do que o Sol.
É uma das mais brilhantes do céu e já era bem conhecida na Antiguidade, por egípcios, árabes e persas.
O seu brilho é 10.000 vezes o do Sol, encontrando-se à distância já respeitável de 600 anos-luz. Deve o seu nome (anti-Ares) ao facto de ser vermelha (como Marte, o planeta vermelho - o Ares dos gregos), rivalizando-o em cor e tonalidade. Na verdade, a aproximadamente cada uns vinte cinco anos, Marte parece chegar às imediações de Antares, na projecção celeste.
Se por hipótese, Antares estivesse onde está o Sol, então, Mercúrio, Vénus, a Terra e Marte teriam sido engolidos, pois a estrela estender-se-ia até à cintura de asteróides que gravita entre Marte e o Júpiter.
Para finalizar este pequeno apontamento, diremos que a superfície da estrela é menos quente que a do Sol, pouco mais de 3. 000º, estando classificada no tipo espectral M, e está a atingir o fim da sua evolução.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

MEDIÇÕES ASTRONÓMICAS

A nossa vida diária impõe a necessidade da utilização de vários sistemas de medidas. Os instrumentos ou os aparelhos que utilizamos (balanças, fitas métricas, relógios, entre outros) podem considerar-se inexactos, mas são os exactamente adequados a essas funções.
No entanto, quando o Homem pretende estudar aprofundadamente certos aspectos das ciências, quer seja a física tradicional e a física atómica, a química ou a astronomia, são necessários instrumentos de medida de grande sensibilidade e precisão.
Assim, a nave que transportou Aldrin e Armstrong (os primeiros homens a desembarcar na Lua), viajando a uma velocidade bem determinada, tinha de estar completamente segura de que ia aterrar num sítio exacto do mar da Tranquilidade, e isso só era possível desde que se conhecesse, de antemão, entre muitas outras coisas, a distância certa, entre o Cabo Canaveral e a Lua.
Calcular as distâncias que nos separam de diferentes corpos celestes, parece muito difícil. Mas não é.
Assim como não é difícil, ao homem comum, desconhecedor das matemáticas e da trigonometria, saber por exemplo, a altura exacta duma árvore bem alta, sem necessidade de subir ao seu topo, mesmo se estiver muito longe dela! Basta usar um pauzinho. Com um olho fechado e de braço esticado, faz-se coincidir a imagem do pauzinho, com a da árvore. Uma rotação, até à horizontal, permite ver aonde recai a outra extremidade. O tamanho da árvore é igual à projecção horizontal do pauzinho, no chão! Depois, é só medir.
A primeira das medições que se pode considerar astronómica, foi realizada por um grego antigo, chamado Eratóstenes, director da famosa Biblioteca de Alexandria. Ele realizou a proeza impressionante de calcular o perímetro da Terra, há mais de dois mil anos!
E isso, num tempo em todas as civilizações pensavam que a Terra era plana...

terça-feira, 6 de setembro de 2011

OS GRANDES IMPACTOS

A GRANDE CRATERA DO ARIZONA

Todos os dias, a Terra é autenticamente bombardeada por um sem número de fragmentos de rocha vindos do Espaço. Calcula-se que umas mil toneladas desse material cósmico chegue diariamente ao nosso planeta. São conhecidos por meteoritos. Esses meteoritos têm diversas dimensões; vão desde grãos de poeira até outros que pesam vários quilos, ou até muitas toneladas. Pode dizer-se que a sua frequência está directamente relacionada com as suas dimensões. Nestas condições, os mais pequenos são os mais frequentes, sendo cada vez mais raros os de maior porte.
Assim sendo, o volume do meteorito (também há quem o considere um asteróide) que deu origem à cratera da gravura, já é bastante raro. Felizmente, para nós.
A cratera do Arizona, também conhecida por cratera de Baringer, é um enorme buraco causado por um grande meteorito que aí caiu há 50 mil anos. Tem cerca de 200 metros de profundidade e um diâmetro que ronda os 1. 500. Deveria pesar 300.000 toneladas, tendo um diâmetro duns 40 metros. A velocidade do impacto e a consequente temperatura desenvolvida, derreteu parte da rocha.
Hoje em dia, o local é um ponto turístico, visitado por muitos curiosos e estudado pelos cientistas, pois, cerca de metade do objecto permaneceu intacto. A sua entrada intempestiva, nas altas camadas da atmosfera, a uma velocidade de mais de dez quilómetros por segundo, fê-lo aquecer drasticamente, fragmentando-o em bocados que depois se espalharam pelo deserto, numa nuvem de fragmentos de material ferroso, um dos seus principais constituintes.