quinta-feira, 25 de outubro de 2012

O GRANDE COMETA DE 1680

Esta gravura da época mostra o que teria sido 
o Grande Cometa de 1680, visto sobre Amesterdão.
Pensa-se que o c/2012 SI (ISON) 
possa vir a ser espectáculo celeste idêntico. 
(Ver postagens imediatamente anteriores)

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

COMET C/2012 S1 (ISON)

clicar para ver o movimento
O cometa de que falámos na penúltima postagem, pode aqui ser observado, quando ainda se encontra para além da órbita de Júpiter. (ver essa postagem). De referir que o cometa que mais próximo passou da Terra (desde que há registos), foi o Lexell, a mais de 2 milhões de quilómetros. O célebre Halley, em 1986, esteve a 62. A considerar também que o asteróide denominado 2005 yu55, "quase rasou" a Terra, a uma distância próxima da Lua - a 324 mil kms, em 2011!

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

COMETAS PRÓXIMOS



Acaba de ser descoberto um cometa que pode tornar-se espectacular, dentro de pouco mais de ano!
Já lhe atribuíram a designação de C/2012 S1 (ISON).
Neste momento encontra-se ainda para além da órbita de Júpiter, na constelação de Caranguejo, mas completamente invisível mesmo para binóculos ou telescópios simples.
Se as previsões se confirmarem (e é sempre muito difícil fazer previsões,
a um ano de distância, para objectos tão longínquos, tanto mais que a sua composição ainda não pode ser determinada), o cometa será visível mesmo de dia e será mais brilhante que a Lua.
O cometa passará a menos de 2 milhões de quilómetros do Sol e as enormes forças gravíticas da estrela, podem estilhaçá-lo.
Mas, se isso não acontecer, será uma dos mais vistosos cometas da História, semelhante ao Grande Cometa de 1680 - dos tempos de Newton -, (com o qual pode haver grandes semelhanças ou até, ser o mesmo).
O cometa será visível no Hemisfério Norte, mas, para o Hemisfério Sul, está anunciado um outro muito interessante: o C/2011 L4 (PANSTARRS) já no próximo mês de Março.
Disso daremos mais notícias.
.
créditos: NASA

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

ENXAME DE ESTRELAS



.
Este grande enxame globular de estrelas, denominado M 4, é um dos mais próximos da nossa galáxia. Pode ser observado na constelação de Escorpião. Contém dezenas de milhares de estrelas e é, pela sua proximidade, um dos mais fotografados e estudados. Uma das questões que mais tem prendido os astrónomos, é o facto de uma das suas estrelas ter propriedades, no mínimo curiosas e intrigantes. É que, sendo muito antigas todas as suas estrelas, a estrela em causa possui uma muito maior quantidade de lítio, um elemento raro, do que seria de esperar. E isto porque o lítio é correntemente destruído ao longo dos milhares de milhões de vida da estrela.