segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

A SUPERNOVA SN 1987 A

Supernova SN 1987 A


Aquando da descoberta duma recente (e jovem, se assim se lhe pode chamar...) supernova, denominada SN 1987 A, os astrónomos interessaram-se particularmente pelas poeiras que também logo se formaram. A supernova foi detectada na Grande Nuvem de Magalhães (uma pequena galáxia, satélite da nossa), a 160 anos-luz e é a mais próxima até agora observada, depois que Kepler, em 1604, descobriu uma, dentro da nossa próxima galáxia.
O interesse da descoberta, é que a situação agora verificada pode ser a chave para se pereceber a grande quantidade de poeiras (de compostos de oxigénio, silício e carbono) que geralmente rodeiam as galáxias. 
* Relembre-se que uma supernova é um evento raro, originado pela explosão duma estrela de grandes dimensões.

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

ARQUIMEDES

"Todo o corpo mergulhado num líquido, sofre uma impulsão vertical de baixo para cima, 
igual ao peso do volume de líquido deslocado" (Arquimedes)*
.

Arquimedes de Siracusa  (287 a. C. – 212 a. C.) é hoje tido por um dos grandes matemáticos de todos os tempos. Foi certamente um dos maiores cientistas da Antiguidade Clássica. Também foi astrónomo.
Foi, além disso, um físico notável e grande inventor. Lançou as bases da hidrostática e da estática.
Inventou o parafuso (tão utilizado desde aí), definiu as leis da alavanca, projectou todos os tipos de máquinas para uso militar, e tantas outras. Baseando-se nas equações dos sistemas de alavancas, imaginou um engenho capaz de levantar navios para fora de água e um outro capaz de pôr em chamas navios inimigos, utilizando um sistema de espelhos.
Mostrou a relação entre o volume da esfera e a área da superfície do cilindro, e essa foi uma das suas maiores deduções matemáticas. 
Utilizou o método chamado da exaustão, que joga com a soma de uma série infinita, para calcular áreas de arcos parabólicos, inventou uma maneira inovadora de expressar grandes números, e debruçou-se sobre o número π, levando-o a uma precisão nunca até aí encontrada

* O célebre enunciado de Arquimedes, foi-me lembrado pelo nosso amigo do Sol de Esteva . E já agora, hoje, substitui-se "líquido" por "fluido". Não muda muito. Mas no tempo do célebre físico, ainda não era possível saber isto.

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

ALDEBARÃ



Na mitologia: o Touro e o guerreiro Orion

A estrela Aldebarã encontra-se na constelação do Touro. É uma gigante vermelha, com tons a cair para o alaranjado. Distingue-se facilmente por ter essa cor. Os astrónomos conheçam-na por α Tauri, pois é a mais brilhante de todo o conjunto. Mas, desde o tempo dos antigos árabes – que lhe deram o nome – é conhecida pelo “olho de touro”. Também as Plêiades, conhecidas popularmente por Sete-estrelo, se encontram na constelação. Uma uma história interessante, dos domínios da Mitologia!
Numa postagem anterior, quando falámos de Orion, referimos “As Três Marias”, que se encontram no meio dessa esbelta constelação.
Pois, para encontrar Aldeberã, a partir delas, basta seguir as três estrelas - da esquerda para a direita - no Hemisfério Norte (e ao contrário no Hemisfério Sul.
Trata-se duma estrela de grandes dimensões, e que já gastou a principal fonte do seu combustível, o hidrogénio.
Quando isto acontece em estrelas deste género, o seu comportamento próximo é expandir-se. Assim, ela tem um raio umas 40 vezes maior do que o Sol, sendo 150 vezes mais brilhante que o nosso astro-rei!

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Constelação de Hidra

-.
Na imagem pode ver-se as constelações do Corvo e da Taça
A mais extensa das constelações da esfera celeste é Hidra – abreviatura, Hya. 
No entanto, é pouco expressiva, já que as suas estrelas têm pouco brilho. Estende-se por mais de um quarto do céu. 
É vizinha de outras mais expressivas, como é o caso da Balança, Leão, Centauro, Corvo, a Taça, o Sextante e o Caranguejo.
A constelação já vem dos tempos da Mitologia Clássica e, na Grécia Antiga, Hidra representava um monstro de muitas cabeças.
Foi celebrizada por Hércules, num dos seus doze trabalhos, destruindo-a. 
Na abóbada nocturna, é vista no hemisfério sul e é interceptada pelo equador celeste, sendo representada como uma cobra d’água duma só cabeça.
A sua estrela mais brilhante é α Hya, também conhecida por Alphard.
No espaço do céu em que nós a vemos, há um aglomerado globular, baptizado de M 68, ou NGC 4590, as nebulosas planetárias NGC 2610 e NGC 3242, dito o fantasma de Júpiter, e um bom número de galáxias distantes.