DILEMA

https://youtu.be/K_sAgzRbMu4

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

COMETA. 17/P HOLMES


Há cerca de um ano, era possível observar este cometa, a olho nu, desde a Terra.

Ele foi alvo de muita excitação, entre os astrónomos, particularmente os amadores, pois representava um desafio à observação.

Fora descoberto, em 1892, pelo astrónomo inglês que lhe deu o nome. Curiosamente a sua órbita situa-se entre os planetas Júpiter e Marte, encontrando-se, em fins de Outubro transacto, a mais duzentos e vinte milhões de quilómetros da Terra, uma distância maior do que a que nos separa do Sol.

É um cometa periódico, com um período de quase 7 anos.

O que a citada passagem deste comete teve de verdadeiramente interessante foi que, quando foi avistado, tinha uma magnitude de 17. Isto é: completamente impossível de ser visto, a não ser por meios ópticos de grande alcance. No entanto, e sem que se soubesse bem porquê, passou rapidamente a ostentar um brilho que permitia ser observado à vista desarmada, próximo da magnitude 3, nas imediações da constelação Perseu. Depois, o seu brilho diminui, embora se estivesse a aproximar de nós. Em princípio, passa-se o inverso; tanto mais próximo mais visível se torna.

Não tendo sido um cometa espectacular, longe disso, como foi o recente Hale Bopp, na década de 90, foi um bom teste à persistência e capacidades de observação de muitos amadores, pois ficou visível, quase nos limites da observação, durante muito tempo.

Ele poderia ser visto à vista desarmada, quase ao alto, junto à constelação de Perseu e distinguia-se, com uma certa facilidade, duma vulgar estrela. Utilizando um binóculo (por exemplo de 8 x 30), notava-se-lhe perfeitamente a cabeleira redonda, azulada, de apreciáveis dimensões. Obviamente que a poluição luminosa das localidades é um grande obstáculo à visualização de cometas e do céu, em geral e, em fins de Outubro do ano passado, também a Lua era bem presente na abóbada nocturna. Por isso, a cauda não era perceptível, à vista desarmada, como se pode observar na imagem do húngaro, Éder Ivan.

Postar um comentário