DILEMA

https://youtu.be/K_sAgzRbMu4

domingo, 26 de dezembro de 2010

CAPRICÓRNIO


Capricórnio é uma das doze constelações do Zodíaco que, segundo a Astrologia, diz respeito aos que nasceram entre 22/12 e 20/01. 
O agrupamento de estelas de que hoje falamos, foi um dos primeiros a ser integrado nessa espécie de roda que se imaginou rodear o Sol – o Zodíaco. Mas nem sempre assim foi. Terá sido figurado pelo menos há uns 5500 anos, a. C., a avaliar por gravuras deixadas em objectos de barro, datando desses tempo e, alguns estudiosos, baseando-se em desenhos e pictogramas feitos na Mesopotâmia, cerca de 4000 a. C., afirmam que Capricórnio é apenas parte duma constelação imaginada anteriormente, que incluía a de Aquário.
Capricórnio representava uma cabra, em diversas regiões do Médio-Oriente. As histórias mitológicas que se foram produzindo em seu redor, na Antiguidade, são inúmeras e de variadas configurações. Em algumas é uma caracterização de Pã, um músico! – mas também um fauno que ajudara Zeus uma feroz batalha contra Tifão. Zeus, o deus supremo da mitologia grega, transformou-o em constelação, em sua homenagem e reconhecimento pelo serviço prestado. 
A constelação, em si, só com muita boa vontade poderá fazer lembrar uma cabra, sendo as suas estrelas pouco brilhantes, geralmente de magnitude 3 ou 4.
A estrela α, conhecida por Algedi é, na verdade, uma estrela dupla – ou seja: um par de estrelas que gravitam ente si, girando uma em redor da outra, e vice-versa.
Curiosamente a estrela β que era anunciadora do inverno, nesses tempos remotos, 4000 anos depois… já não o é!
A estrela δ, ao contrário do que é costume, é a mais brilhante constelação, também uma binária, mas que se eclipsa durante um período regular de 24h 32m 47.2s!
Capricórnio é uma constelação de reduzido interesse para a Astronomia. O único objecto que merece atenção é o M 30 do catálogo de Messier, ou  NGC 7099 (New General Cataloge), a 40.000 anos-luz. Tem a particularidade de ter uma grande concentração de estrelas na sua parte central, como se pode ver na gravura.

domingo, 19 de dezembro de 2010

NATAL

DESEJO A TODOS OS MEUS ESTIMADOS LEITORES
.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

DISTÂNCIAS E MEDIÇÕES ASTRONÓMICAS

   PARALAXE
     .
A luneta astronómica fora construída em 1604, por Galileu, que através dela descobriu as luas de Júpiter, calculou a altura das montanhas da Lua e concluiu que a Via Láctea não era uma nuvem, como antes se pensava, mas sim um enorme conjunto de Estrelas. Mas já Tycho Brahé, em 1602, elaborara um catálogo das 777 estrelas fixas mais visíveis. Ao mesmo tempo, os astrónomos começaram a procurar determinar as distâncias que nos separam dessas estrelas.
O método mais corrente para se determinar distâncias dessa grandeza é o que se obtém através da paralaxe. O método requer conhecimentos de geometria, e é baseado nos ângulos que são medidos de seis em seis meses, para aproveitar aberturas angulares entre pontos distanciados de 300 milhões de quilómetros – o diâmetro da órbita da Terra!
Com este método é possível saber a distância a estrelas próximas, por exemplo, à epsilon Indi (uma anã laranja um pouco mais pequena que o Sol), a 11,2 anos-luz; a Vega, a mais brilhante da constelação da Lira, a 26 anos-luz; à Próxima de Centauro, que está a cerca de 4,4 anos-luz (a estrela mais próxima de nós, a seguir ao Sol); à anã vermelha, Estrela de Barnard, que se encontra a  6 anos-luz, ou ainda, entre muitíssimas outras, à estrela branca Altair, da constelação da Águia (a águia voadora dos Árabes, e que para os Romanos era a companheira de Júpiter).
Mas também ainda é possível medir a distância a estrelas mais longínquas, como por exemplo à alfa de Leão, conhecida por Régulos, que está a 84 anos-luz; a Betelguese, em Orion, uma supergigante vermelha como a órbita de Marte, a 650 anos-luz; ou a Rigel (o diabo, dos Árabes), na mesma constelação de Orion, uma supergigante branco-azulada, a 850 anos-luz e que é a mais brilhante do céu, pois brilha como 10.000 sóis.
 .
EFEITO DE DOPPLER
.
No entanto, se pretendermos medir a distância a outras estrelas de galáxias distantes, ou às próprias galáxias, o método já não é eficaz.
Recorre-se ao efeito doppler, que nos diz que o espectro da luz dos corpos que se afastam de nós a enormes velocidades, tende para o vermelho. Essas medições são feitas por intermédio de instrumentos chamados espectógrafos que analisam a luz vinda das estrelas ou galáxias para onde os telescópios apontavam.
          

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

OS SATÉLITES DE JÚPITER


Io é o satélite que se encontra mais próximo do planeta Júpiter e foi visto pela primeira vez por Galileu, com a ajuda da luneta que inventara. Os restantes três, descobertos pelo célebre físico, são Europa, Calisto e Ganimedes. O diâmetro de Io é de mil e seiscentos quilómetros, o que lhe confere umas dimensões semelhantes à da Lua. Mas, além de possuir um núcleo metálico e uma densidade elevada, deve ter um campo magnético, o que não acontece com o nosso satélite natural. Apresenta tons amarelos que podem ser de enxofre e fósforo, talvez em estado líquido. As fotografias colhidas pela sonda Voyager, porém, revelam qualquer coisa de inesperado, bem nítidas na gravura, colhida pela sonda. São visíveis vários vulcões em plena actividade, como o que se pode observar na orla do satélite, claramente expelindo magma e gases para a atmosfera. De tal maneira assim é que o astro se encontra envolto numa nuvem muito ténue que o envolve completamente e que têm sido observadas desde há poucas décadas. Nessa nuvem também foi detectado o cloreto de sódio.
Essas erupções vulcânicas devem-se aos efeitos da força atractiva de Júpiter e de dois dos outros satélites. Io é constantemente puxado na direcção desses vizinhos, particularmente o gigante Júpiter e sofre fortíssimos efeitos de maré. Esses efeitos de maré podem deformar a sua crosta até aos cem metros. O calor desenvolvimento é o responsável pelos fenómenos de vulcanismo.
.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

RAIOS GAMA

O Universo não pára de nos surpreender.
Agora é o telescópio espacial Fermi, especialmente desenhado para detectar raios gama, que nos dá conta de que na nossa galáxia estão a produzir-se enormes quantidades desses tão energéticos raios, a partir do seu centro, onde pontifica um colossal buraco negro.
Essas emissões de raios gama saem para norte e para sul do centro da Galáxia e estendem-se por 50.000 anos luz, de uma ponta à outra. Devem ter começado há milhões de anos.
Pensa-se que foram consequência duma tremenda erupção no buraco negro mas, por ora, poucas são as certezas. Como se sabe, do buraco negro, nada pode sair, nem a luz sob que forma for: raios gama, ou outros.
              .     .           

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

COLISÃO DE GALÁXIAS

2 galáxias em colisão - imagem Google
.
Como se sabe, o Universo encontra-se numa fase de expansão.
Edwin Hubble (1889 –1953), para além de descobrir outras galáxias para além da nossa (a Estrada de Santiago), foi o primeiro a mostrar o seu progressivo afastamento, pelo red shift (desvio para o vermelho), nas informações espectrais que advinham das suas observações e medições, feitas nessas galáxias.
Assim sendo, e estando imensamente distantes umas das outras, poderá parecer que, ao se afastarem, nunca poderão colidir.  
Mas esse afastamento só é uniforme para grandes conjuntos.
No seu todo, o Universo expande-se mas, considerando localizadas zonas do Espaço, poderá haver aproximações, ou mesmo colisões.
Imaginemos uma rua cheia de gente que se dirige numa determinada direcção. Considerada a grande escala (a extensão da rua), a massa popular segue no mesmo sentido. No entanto, uma ou outra pessoa pode, pontualmente, estar a fazer o trajecto em diagonal, ou mesmo a vir no sentido inverso, atropelando todos os que apanha pela frente...
No que respeita às galáxias, não é por vontade própria (apanágio do Homem), que elas se poderão aproximar, mas fruto da interacção das forças gravíticas de umas e outras.
Conhecem-se muitas em rota de colisão, outras que estão a colidir.
A nossa Galáxia terá esse destino. Num futuro muito longínquo, colidirá com a Andrómeda, a maior, do chamado Grupo Local.
O Grupo Local é composto por umas 35 galáxias e inclui a Via Láctea, a Andrómeda e o Triângulo, numa extensão de cerca de 10 milhões de anos-luz. A maioria das restantes são muito pequenas e são satélites das 3 maiores, como as Nuvens de Magalhães, que nos estão próximas e até são visíveis no Hemisfério Sul.
Isto vem a propósito, porque acaba de ser descoberta uma estrela de outra galáxia, na nossa. Os primeiros cálculos levam a pensar que, no passado, uma pequena galáxia satélite terá sido engolida pela Via Láctea!

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

EXPLORAÇÕES ESPACIAIS

..
A estação espacial soviética, denominada Salyut 1 (saudação, em russo), que pesava mais de 18 toneladas, foi lançada há quase 40 anos, em Abril de 1971, e fora concebida para vários programas e testes. Uma das suas missões era estudar os recursos da Terra. Uma outra dessas missões, era levar a cabo experiências biológicas.
Uma dessas experiências consistia em obter sementes, no espaço. Essas sementes de cereais e outras, seriam depois utilizadas noutras sondas ou naves espaciais, para se saber se seriam capazes de produzir sucessivas gerações de novas sementes, em condições de mínima imponderabilidade, no espaço.
A força da gravidade no interior das naves que saem para o espaço interplanetário, fora do campo gravítico da Terra, não vai além do centésimo milésimo da que temos no nosso planeta. Apesar disso, pensava-se que ela seria suficiente para as sementes memorizarem a informação e "saberem" dirigir correctamente as folhas e as raízes, em noutros nascimentos, dentro de posteriores naves.
Estas experiências, como facilmente se compreende, são de vital importância para os futuros navegantes do espaço interestelar, porque uma nave dessa natureza deverá ser auto suficiente, talvez para sempre...

segunda-feira, 8 de novembro de 2010


CURIOSIDADES ASTRONÓMICAS

.
* Se nos fosse possível viajar à velocidade da luz (300 mil quilómetros por segundo) daríamos sete voltas à Terra, nesse pequeníssimo lapso de tempo.
.
* A distância entre a Terra e o Sol é de 150 milhões de quilómetros. Se o Sol se apagasse neste momento, só deixaríamos de vê-lo, cerca de oito minutos depois.
.
* A galáxia da Andrómeda é algo semelhante à nossa, mas bem maior. É constituída por cerca de 400 mil milhões de estrelas e lembra um casulo ligeiramente espalmado, vista ao telescópio. Se se apagasse neste momento, seria ainda visível durante mais de dois milhões de anos! No entanto, é uma das mais próximas de nós. Conhece-se uma enormidade de outras, que se encontram milhões de vezes mais longe.
.
* A estrela alfa da constelação de Hércules - uma gigante vermelha, conhecida desde o tempo dos antigos gregos pelo nome de Rasalgeti e que se encontra a quinhentos anos-luz de nós -, tem um diâmetro seiscentas vezes maior que o nosso Sol. Este, por sua vez, é um milhão de vezes mais volumoso que a Terra.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

GALILEU GALILEI


Luneta de Galileu- imagem Google
Quando o velho sábio nascido em Pisa, no século XVI, assestou pela primeira vez uma luneta astronómica na direcção de Júpiter, quase duvidou do que via: um pequeno disco, bem nítido, ligeiramente colorido, e quatro pontos de luz que rodeavam o planeta e dele pareciam depender.
Um novo visionamento, mais tarde, revelou que os pontos de luz tinham mudado de posição, tendo posteriores observações confirmado que esses pontos de luz volteavam à roda do grande planeta. Eram satélites: as quatro grandes luas de Júpiter – Io, Europa, Calisto e Ganimedes; tal como a Lua é um satélite da Terra.
Esta descoberta foi decisiva para o abandono da ideia de que a Terra é o centro do Universo – o geocentrismo –, defendida pelo grego Cláudio Ptolomeu (90-158), na sua principal obra: o "Algamesto", e alimentada durante séculos, pela Igreja de Roma.
Mas Galileu Galilei também se notabilizou por outros inúmeros estudos. Foi ele quem primeiro percebeu o "princípio da inércia", as leis do movimento uniformemente acelerado e as do movimento parabólico. Descobriu as manchas solares e os anéis de Saturno, viu montanhas na Lua, percebeu que Vénus tinha fases, como a Lua. Desenvolveu a balança hidráulica, criou a célebre luneta e o termómetro que levam o seu nome, inventou um método para determinar o peso do ar, o relógio de pêndulo e o compasso geométrico. 
Foi condenado pela Inquisição, tendo apenas sido absolvido… em 1983!
É justamente considerado "o pai da ciência moderna", particularmente pelo facto de ter imposto o método empírico, e relegado para o esquecimento o método aristotélico.
           

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

A Sonda Kepler

.

Johannes Kepler
Johannes Kepler (1571 — 1630) foi matemático e astrónomo, e um importante vulto da revolução científica que teve lugar no século XVII.
Foi ele quem formulou as três célebres leis fundamentais da mecânica celeste.
Essas leis permitiram a Isaac Newton elaborar a sua teoria da gravitação universal.
Em sua homenagem, foi lançada, em 2009, a sonda que leva o seu nome,  e que tinha como missão principal detectar planetas extra-solares Ela deverá observar umas 10.000 estrelas, durante 4  anos.
Mas, mais recentemente, foi atribuída uma outra missão à sonda. Ela irá procurar identificar objectos da nuvem de Oort, que se crê ser um imenso repositório de futuros cometas. A nuvem de Oort, proposta por Yan Oort, em 1950, estender-se-ia até aos limites do Sistema Solar, envolvendo-o em todos os sentidos, como a casca duma laranja, passe a expressão.
O método a ser utilizado para detectar esses pequenos corpos é o mesmo que está a ser utilizado para detectar planetas girando à volta doutros sóis.
Quando um deles passar em frente duma dada estrela, a luminosidade desta, baixará ligeiramente durante o tempo em que o objecto estiver no enfiamento da observação. Instrumentos muito precisos de medida, determinarão depois as dimensões dos objectos em causa.

sábado, 16 de outubro de 2010

O NEUTRINO

.
Uma partícula quase fantasma
.
O número de neutrinos que chega à Terra é colossal. Têm características que os tornam quase indetectáveis, porque são partículas electricamente neutras (tal como os fotões), e ainda muitíssimo mais pequenas que eles. Assim, não são atraídos ou repelidos pela matéria comum e passam facilmente por entre ela, sem esbarrar com os núcleos de todos os elementos da natureza (atravessam o nosso corpo, em todos os sentidos, sem que demos por isso e sem nos causar qualquer dano), podendo também atravessar de lado a lado toda a Terra, (e mesmo o Sol), sem praticamente interagir com a matéria.
A existência desta partícula quase fantasma, tinha sido proposta pelo físico austríaco Pauli, em 1930, para tentar explicar determinados problemas que se punham com a desintegração do neutrão. Mas foi Enrico Fermi, ainda no mesmo ano de 1930, que elaborou um modelo para o átomo, que incluía o neutrino. Como era italiano, chamou-lhe neutrino, ou seja: pequeno neutrão.
A existência da partícula acabou por ser provada. Uma das primeiras experiências, foi feita no Japão, envolvendo 50. 000 toneladas de água. O neutrino, de onde em onde, embora muito raramente, acaba por interferir com a matéria e produzir luz, que era captada e registada num dos 17. 000 tubos que compunham o sofisticado equipamento.
Porém, subsiste um mistério, como anteriormente referimos. Porque é que chegam à Terra muito menos neutrinos dos que são previstos teoricamente?
Haverá qualquer coisa que ainda não foi bem compreendida nessa partícula fantasma, ou haverá algum erro importante, nos mais recentes modelos que procuram explicar o funcionamento do Cosmos?

sábado, 9 de outubro de 2010

CONSTELAÇÃO DE VIRGEM (2) - Mitologia

 .
Como ficou dito na anterior postagem, as constelações são grupos imaginários de estrelas.
Os antigos, conforme as civilizações, viam nelas objectos do quotidiano, figuras míticas, deuses, animais… E, à volta dessas configurações, se teciam a mais variadas lendárias peripécias e enredos.
A constelação de Virgem (constelação do Zodíaco) representa uma jovem e são inúmeras as histórias como ela relacionadas.
Não as referiremos. Apenas mostramos a sua imagem, tal como foi imaginada, a partir das estrelas mais brilhantes da constelação.
É bem de ver, que nelas se podia inscrever o que quer que fosse.
E então, os nativos de Virgem, teriam outros atributos e outro destino…
.
* Comparar a imagem com a da anterior postagem

sábado, 2 de outubro de 2010

CONSTELAÇÃO DE VIRGEM

.
imagem Google

 A constelação da Virgem é um imaginado agrupamento de estrelas, pouco expressivo, próximo da constelação de Leão e que pode servir-lhe de referência.
Das suas estrelas há a destacar a α, Spica (também chamada Espiga), uma estrela azul esbranquiçada, intrinsecamente muito brilhante, a 280 anos-luz de nós. Se estivesse à distância que está Sírio (a mais luzidia dos nossos céus) seria umas noventa vezes mais brilhante!
Aquilo que à vista desarmada parece ser uma só estrela, a γ, Porrima, é, na verdade, um par de estrelas muito próximas e muito parecidas, que orbitam em torno uma da outra. Por estes tempos confundem-se numa só, pois se encontram no enfiamento uma da outra, em relação a nós. Esse movimento recíproco dura uns 170 anos.
Outra estrela a realçar é a ε, a Vindimadora, uma gigante amarela à distância de 100 anos-luz.
O fundo da constelação é muito rico em galáxias, particularmente o chamado Enxame de Virgem (cerca de 3.000), a 45 milhões de anos-luz, onde pontifica a gigante M87 (assim catalogada por Messier), que se julga ter um enorme buraco negro, no seu centro. Daí emana uma fortíssima fonte-rádio, conhecida como Virgem A.

domingo, 26 de setembro de 2010

A EXTINÇÃO DOS DINOSSAUROS

,,,,,,,,,.

imagem google
 ...
Está estabelecido que a grande extinção das espécies que ocorreu na transição do Cretácio para o Terciário (a chamada fronteira C/T), foi causado por um asteróide que caiu na Terra. Mais precisamente em Chicxulub,  na península do Yucatan, no México, há cerca de 65 milhões de anos, tendo aniquilado os dinossauros e mais de metade das espécies animais, de então.
O asteróide teria uma envergadura duns 15 quilómetros e, ao embater na Terra, desenvolveu uma energia equivalente a um milhão de vezes a da bomba atómica de Hiroshima. As poeiras que produziu, ofuscaram completamente a luz solar, a nível planetário, produzindo um inverno duradoiro e negro.
Curiosamente, a extinção dos dinossauros abriu caminho ao desenvolvimento das pequenas espécies de animais de sangue quente, nomeadamente as espécies mamárias, donde, mais tarde, surgiu o homem.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

A GALÁXIA DE ANDRÓMEDA

..
imagem google
 .
A galáxia de Andrómeda  (a M 31, do catálogo de Messier), é a mais próxima da nossa Via Láctea. Pertence ao chamado Grupo Local, constituído por umas 40 galáxias. A seguir à Andrómeda e à Via Láctea, por ordem de grandeza, destaca-se a do Triângulo (M 33) e as duas Nuvens de Magalhães (visíveis no hemisfério austral).
Crê-se que foi o persa Abd-al-Rahman Al-Sufi quem a descreveu pela primeira vez, no ano de 964.
Andrómeda é bem maior que a nossa galáxia (mais de 400 mil milhões de estrelas), e dista de nós uns 2 milhões e 500 mil anos-luz.
É visível apenas no hemisfério norte. Encontra-se facilmente se procurarmos a constelação do mesmo nome, pois é visível a olho nu, em céus escuros. Pode ser melhor visionada com binóculos.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

ANTARES



Antares é uma estrela de colossais dimensões, que se pode ver a meio do Escorpião. Como é a mais brilhante da constelação, é-lhe atribuída a letra grega alfa.
Sendo uma supergigante vermelha, tem no entanto, associada a ela, uma outra estrela, umas quatro ou cinco vezes maior que o Sol, gravitando muito longe, a mais de 500 vezes a distância Sol/Plutão!
É uma das mais brilhantes do céu e já era bem conhecida na Antiguidade, por egípcios, árabes e persas.
O seu brilho é 10.000 vezes o do Sol, encontrando-se à distância já respeitável de 600 anos-luz. Deve o seu nome (anti-Ares) ao facto de ser vermelha (como Marte, o planeta vermelho - o Ares dos gregos), rivalizando-o em cor e tonalidade. Na verdade, a aproximadamente cada uns vinte cinco anos, Marte parece chegar às imediações de Antares, na projecção celeste.
Se por hipótese, Antares estivesse onde está o Sol, então, Mercúrio, Vénus, a Terra e Marte teriam sido engolidos, pois a estrela estender-se-ia até à cintura de asteróides que gravita entre Marte e o Júpiter.
Para finalizar este pequeno apontamento, diremos que a superfície da estrela é menos quente que a do Sol, pouco mais de 3.000º, estando classificada no tipo espectral M.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

AS ORIGENS DA ASTRONOMIA


.

O Homem é um animal curioso e deve o seu estado actual de desenvolvimento, a esse espírito diligente e singular.  Não andaremos longe da verdade se dissermos que desde sempre procurou conhecer tudo quanto o rodeia. Essa é a sua condição de humano, provavelmente já patente nos desígnios dos nossos tetravós europeus Cro-Magnon e Neardenthalis ou, até mesmo, no mais remoto africano Ramipithecus, donde, ao que tudo indica, descendemos.
Podemos dar-nos ao devaneio ou ao exercício de procurar escalar o passado mais longínquo e imaginar os nossos primitivos antepassados a olhar as estrelas do céu nocturno, com assombro e temor, procurando encontrar explicações para o seu brilho incorruptível, ou para outros eventuais fenómenos celestes que ante si se desenrolavam, fossem eles o simples esvaziamento e enchimento da Lua, fosse ele algum cometa ou uma super-nova a inundar de luz, os céus.
Infelizmente, muitas dessas explicações tinham pouco de coerência ou nexo.
Foi, por certo, o movimento do Sol que primeiro despertou os espíritos para uma possível referenciação para marcar o tempo. Depois, as alterações observadas no curso do Sol, ao longo do ano, deram-lhe o conhecimento da regular chegada das estações e as suas consequentes modificações atmosféricas, sendo datados dos anos próximos de 4000 a.C., os registos mais antigos da observação de acontecimentos astronómicos, no Egipto, na Mesopotânia e América Central.
Com esses novos dados era possível tirar partido das características e das particularidades das estações, de molde a melhor conduzir o amanho dos campos e a colheita das sementeiras.
Ao mesmo tempo, a observação do decurso do Sol, trouxe a inevitabilidade de outras anotações, onde se incluíam os eclipses. A primeira observação e registo desse fenómeno singular terá tido lugar na China, do ano de 2697 a.C.
Mais tarde, o ocaso e o nascimento de algumas estrelas brilhantes terão passado a ser registados, um pouco por todo o lado, no planeta, por povos de diferentes civilizações e graus de desenvolvimento. Esses registos eram, particularmente, os dias dos equinócios e dos solestícios. Essas datas conduziram aos primeiros calendários solares, por volta de 2000 a.C. Conhece-se os que, por essas alturas, apareceram na Mesopotânia e em Stonehenge, nas Ilhas Britânicas, geralmente sob a forma de edificações em pedra e que, provavelmente, também envolviam um sentimento religioso. Como é sabido, os povos mais antigos atribuíam um enorme significado aos acontecimentos celestes, e isso terá originado um conjunto de crenças, rituais e regras de índole religiosa, envoltas no maravilhoso mundo dos mitos e das narrativas fantásticas que prevaleceram durante séculos, em muitas civilizações.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

CONSTELAÇÃO DO LEÃO ou LEO

-

Arp44 (NGC 4038 e NGC 4039) - duas galáxias em colisão

Há cerca de 30.000 anos (a dar fé a inscrições e construções em pedra, desses remotos tempos), o homem teria inventado as primeiras constelações.
Essas desenhos que o homem imaginava no céu, figuravam animais, objectos do seu quotidiano e seres mitológicos. A constatação do seu retorno anual às mesmas anteriores posições no fundo da abóbada celeste, está na origem dos primeiros calendários.
Serviam para marcar as épocas do ano, e ajudavam-no a melhor saber quando deveria fazer certas culturas agrícolas.
Os nomes atribuídos a essas constelações estavam associados ao tempo das chuvas, ao plantio ou às colheitas.
A constelação do Leão estava associada ao Sol e ao seu forte calor, no Verão.  Como vimos em anterior artigo, esse felino era o Leão da Neméia.
As estrelas mais brilhantes da constelação são a α, Régulus - uma gigante vermelha bem visível, também conhecida por conhecida por "coração do leão", a β, a cauda do leão, γ , a juba do leão, e assim por diante, referindo as partes do corpo do animal.
Interessante também é que uma estrela localizada a aproximadamente a 7,8 anos-luz da Terra, a Wolf 359, seja uma das mais próximas (somente alfa de Centauro e a Estrela de  Barnard estão mais perto de nós). Mas a estrela, uma anã vermelha eruptiva, é invisível a olho nu.
No fundo galáctico da constelação podemos ver várias galáxias, geralmente só através de telescópios.
São elas, as mais importantes:
AsM65 e M66, duas galáxias espirais, a cerca de 35 milhões de anos luz, tendo por perto a NGC3628, e formando o Tripleto de Leio.
A espiral M 96, localizada a cerca de 38 milhões de anos-luz, e a espiral barrada M95.
As M105 (elíptica e a mais brilhante), NGC 3384 e NGC 3389, três galáxias que se confundem num triângulo de luz difusa.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

domingo, 15 de agosto de 2010

A CONSTELAÇÃO DE LEÃO (1)


.................................UM POUCO DE MITOLOGIA
.

-
No ano já remoto de 1947, essa extraordinária escritora de romances policiais que foi Agatha  Christie entregou ao não menos célebre detective Hércules Poirot a resolução de 12 casos, que referiam igual número de proezas realizadas pelo mítico Hércules.
O primeiro desses casos refere o Leão do Vale de Neméia que, segundo a mitologia, seria filho da deusa-serpente Equidna (aparentado com a esfinge de Tebas), e que personificava o mundo subterrâneo.
Era preciso destruí-lo, já que o leão espalhava o terror e a morte, no vale.
Nenhum homem conseguia matá-lo, e os que o tentavam, eram devorados. Foi Hércules, um dos muitos filhos de Zeus, quem conseguiu abatê-lo. A partir daí, o herói passou a ornar-se com a pele do leão e a sua cabeça, usando-as como troféu e escudo protector.
Zeus, o deus supremo, transformou o felino numa constelação, hoje conhecida como a 5ª do Zodíaco, Leão, e diz respeito ao signo dos que nasceram entre os dias 22 de Julho e 22 de Agosto. O mito tem origem em Babilónia, referindo o Solstício de Verão.

sábado, 7 de agosto de 2010

PERSEIDAS - Chuva de estrelas


Perseidas
-
Uma bela e fugaz estrela cadente
 .-
Agosto é o mês da "chuva de estrelas" conhecida por Perseidas, particularmente visível no Hemisfério Norte.
O nome refere o "radiante", a região do céu donde parecem vir os rastos de luz, na constelação de Perseu – um celebrado herói da mitologia clássica.
Este fenómeno acontece todos os anos, em meados de Agosto e nem sempre regista a mesma frequência de estrelas cadentes.
Para este ano são esperadas umas cinquenta ou mais ocorrências por hora, entre os dias 12 e 13, as noites mais favoráveis à observação. Tanto mais, que nas horas de maior frequência desses rastos luminosos, a partir da meia noite, a Lua não se encontrará no céu.
Esta chuva de estrelas está associado à passagem dum cometa, o Swift-Tuttle, e tem vindo a ser descrita desde há cerca de 2.000 anos, no Extremo Oriente.  Na Europa, depois do evento do Cristianismo, esses filamentos luminosos começaram a ser conhecidos por Lágrimas de São Lourenço.
Pequenos grãos de areia deixadas pelo rasto do cometa (por vezes com as dimensões duma ervilha), permanecem numa região do espaço por onde a Terra passa anualmente, no seu movimento de translação.
À aproximação do nosso planeta, esses restos cometários são atraídos pela força gravítica da Terra e acabam por entrar na atmosfera. Chegam a uma grande velocidade e incendeiam-se aí aos oitenta quilómetros da superfície terrestre, nas altas e rarefeitas camadas da atmosfera. Isso é devido à enorme fricção que sofrem ao chocar com as molécula de ar (apesar da sua rarefacção), produzindo esses belos rastos luminosos na abóbada nocturna – as estrelas cadentes.   
 .
O "radiante", em Perseu. Mais acima a Cassiopeia (M103)

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

AS DUAS SONDAS VOYAGER











Lançadas de Cabo Canaveral, em 1977, as duas sondas denominadas Voyager 1 e 2, tinham por missão chegar perto, fotografar e estudar os planetas exteriores, particularmente Saturno, Urano e Neptuno. A missão foi cumprida, mas as sondas não mais regressarão à Terra. Recorde-se que, entre muitos outros cometimentos, as Voyager descobriram várias novas luas em Júpiter e Urano e estudaram os campos magnéticos e os anéis desses dois planetas. Neste momento, a Voyager 1, que levou 12 anos a chegar a Neptuno, já se encontra bem para além de Plutão e percorre 520 milhões de quilómetros por ano, na direcção da constelação Hércules. 
Como os cientistas sabiam que a sua rota acabaria por levá-la muito para além do nosso Sistema Solar, resolveram aproveitá-la para enviar uma mensagem na direcção das estrelas. Puseram-lhe a bordo uma placa incorruptível (em ouro) com informação científica, nomeadamente a que está relacionada com todos os elementos da tabela de Mendlief, localização do Sol e da Terra, na Galáxia, entre outras. Em gravação, seguem composições musicais, saudações em cinquenta e seis línguas, incluindo uma “de baleia” e respectivas instruções para serem decifradas, a gravação do choro duma criança, além de inúmeras fotografias. Um beijo dos humanos, um tipo de peça de teatro japonês, conhecido por Shakuhachi, e outras cenas do quotidiano, poderão ajudar seres extraterrestres que a recolham, a perceber como somos. 
No entanto, mesmo viajando a essas altíssimas velocidades, a sonda só virá eventualmente a passar próximo duma outra estrela, ou dum planeta extra-solar, dentro de milhões de anos. Hoje já se conhecem centenas de planetas gravitando estrelas mais ou menos próximas. Mas ainda não foi encontrado nenhum que se possa dizer exactamente igual à Terra. 
Mesmo admitindo que exista um planeta suficientemente auspicioso, relativamente perto de nós, na rota por onde segue a nave, a probabilidade de ser habitado por seres inteligentes e tecnológicos, como nós, é quase nula. Mas mesmo assim, vale a pena tentar. Pelo menos, para os eternamente sonhadores homo sapiens sapiens, deste mundo...

sexta-feira, 30 de julho de 2010

APRESENTAÇÃO DE LIVRO

FOTOS DO LANÇAMENTO
.
Praia da Luz, ao entardecer
   .
 .
..

 .


.
Na sequência de "A Terra e as Estrelas", 
eis o meu novo livro de divulgação cultural, 
"Breve História dos Cometas".
A apresentação do livro teve lugar  
na Feira do Livro da Praia da Luz.
.
O livro esteve em promoção, ao preço de 5 €, 
e era acompanhado pela oferta 
de "A Terra e as Estrelas", da mesma colecção.
A promoção mantém-se
para os estimados utentes da blogsfera. 
.
As fotografias são de efe, a quem muito agradeço.

domingo, 25 de julho de 2010

segunda-feira, 19 de julho de 2010

O ACONTECIMENTO TUNGUSTA

 -

A Terra é bombardeada por meteoritos de vários tipos, somando mais de 2. 000 toneladas o peso do conjunto desses corpos, por ano. Ocasionalmente ainda caiem grandes meteoritos, como terá sido o caso de Tungusta, numa região remota da estepe russa, em 30 Junho 1908. O objecto (julga-se que era um cometa) explodiu quando chegou às altas camadas da atmosfera e deveria pesar 1 milhão de toneladas. Desenvolveu, ao despenhar-se, uma energia equivalente a uma bomba atómica. Derrubou milhares de árvores, matou rebanhos inteiros de renas, deitou pessoas ao chão a quarenta quilómetros e o ruído da explosão ouviu-se a milhares de quilómetros. Levantou poeiras que subiram até às altas camadas da atmosfera. Essas poeiras deram a volta ao mundo. De tal maneira que, nas noites seguintes, em Londres, se podia ler o Times à noite, dado o reflexo da luminosidade provocada pelos raios do Sol!
Hoje em dia, cerca de 7 ou 8 grandes meteoritos ainda caiem todos os anos, na Terra, mais de 2/3, no mar. Alguns podem desenvolver energias equivalentes a uma bomba como a de Nagasaki. O que recentemente explodiu no Pacífico, em Outubro de 1990, equivalia a 1000 toneladas de TNT. E também se sabe que, em média, cai um corpo de 1 quilómetro de diâmetro, em cada milhão de anos que equivale a 1 megatonelada de TNT = 100 vezes todas as bombas nucleares do mundo, a explodir ao mesmo tempo!
Recentemente, à aproximação de Júpiter, um cometa denominado Shoemaker-Levy-9 foi fragmentado pelas poderosas forças gravíticas do planeta e despenhou-se, aos bocados, nesse gigante do Sistema. A espectacular queda foi observada e fotografada desde a Terra.
Porém, a maioria dos meteoritos 
ou  cometas que viriam na direcção da Terra, despenham-se directamente no Sol, dada a sua enorme força gravítica.

terça-feira, 13 de julho de 2010

HISTÓRIA BREVE DOS COMETAS


Excerto do livro a apresentar brevemente, 
na Feira do Livro da Luz (Lagos).
  .
.-
(...) No nosso país, até tempos bem recentes, eram conhecidos (os cometas) por estrelas de rabo, e alguns deles também foram relacionados com importantes factos da história deste país, como será referido, a seu tempo.
Os chineses mais remotos, viam-nos como pincéis, os hui, com que desenham as suas letras (o que é uma tradição milenar) e, como mostra a gravura que reproduzimos, certos povos guerreiros associavam as suas formas às armas que utilizavam! (fig 11)
A palavra cometa chegou até nós pelo latim – cometa, que significava cabelo longo, e pelo grego – aster kometes (astro de cabeleira). Muitos escritores clássicos a eles se referem como estrelas cabeladas, ou estrelas cabeludas..
A expressão vem do latim: stella cometa. (...)
 .
Na fig 10, o Halley representado numa das famosas tapeçarias tecidas em lã, tingidas por pigmentos vegetais e conhecidas por Tapeçarias de Bayeux, Foram encomendadas a artesãos da catedral de Canterbury para celebrar a vitória do Duque da Normandia, Guilherme, cognominado "O Conquistador", sobre o exército inglês do rei Harold II, na famosa batalha de Hastings, em 1066. Os Normandos acreditaram que o cometa que estivera no céu, lhes tinha trazido o bom presságio da vitória
Na fig 12, o cometa Arend-Roland de 1957 que atingiu um grande brilho e tinha uma anti-cauda

sexta-feira, 9 de julho de 2010

segunda-feira, 5 de julho de 2010

A CINTURA DE KUIPER

..
Para além da órbita de Neptuno, entre as 30 e as 50 u.a. (unidades astronómicas)*, há uma enormidade de pequenos corpos que volteiam o Sol, formando uma espécie de cintura a que deram o nome de Cintura de Kuiper. O primeiro desses corpos a ser descoberto foi Plutão que, como se sabe, foi recentemente despromovido da sua condição de planeta, para ser considerado um elemento da referida cintura.
Ainda Plutão era considerado planeta, descobriram o (então primeiro) objecto da cintura que o astrónomo Kuiper propusera. Baptizaram-no de 1992 QB1, no ano aí referenciado. De lá para cá, já foram catalogados uns mil ou mais desses objectos transneptunianos. Os maiores têm diâmetros que ultrapassam os mil quilómetros, como é o caso do próprio Plutão, e de Ério e Varema, entre outros.
Estes pequenos corpos são geralmente descritos como “bolas de gelo sujo” e podem constituir-se em cometas, sempre que sujeitos a certos desequilíbrios gravíticos, ao se chegarem próximo das órbitas de Neptuno ou Júpiter. Mas também podem sofrer impulsos gravíticos que levem as suas órbitas a passarem de elípticas a hiperbólicas, sendo projectados para fora do Sistema Solar ou a só regressar às imediações do Sol, mil ou mais anos depois.
Calcula-se que a massa total dos corpos que constituem a referida cintura, não exceda um décimo da massa da Terra.
O seu conhecimento é da maior importância, porque essas bolas de gelo sujo se mantêm, provavelmente, como eram quando se formou o Sistema Solar, vai para 4.500 milhões de anos. O seu estudo permitirá perceber melhor o modo como o Sistema Solar se formou, com todas os conhecimentos científicos que daí advêm.

* 1 u.a. são cento e cinquenta milhões de quilómetros, a distância Terra/Sol.

sábado, 26 de junho de 2010

Breve História dos Cometas

 -
Do meu próximo livro "História Breve dos Cometas",  
a ser apresentado na Feira do Livro da Praia da Luz, Lagos, em Julho,
um pequeno extracto da Nota de Apresentação:  
.

O(...) O presente trabalho pretende constituir-se como leitura de fácil apreensão, que possa contribuir para aguçar alguma apetência para aprofundar aspectos relevantes da ciência astronómica.
Também tem como finalidade dar a conhecer algumas estórias – no mínimo surpreendentes… que, ao longo dos tempos, têm envolvido o aparecimento de cometas, e o seu enquadramento histórico.
 Essas estórias ficaram para a posteridade na História da Astronomia, não pelo seu valor científico, mas que, em alguns casos, envolvem factos curiosos que deverão contribuir para evidenciar a racionalidade de uns e também o obscurantismo de outros, face a desusados ou esporádicos acontecimentos celestes, desde tempos recuados, até praticamente aos nossos dias. (...)

terça-feira, 15 de junho de 2010

MEDIDAS ASTRONÓMICAS

.
Quando nos referimos a distâncias astronómicas, idades ou massas de estrelas ou planetas, ou mesmo a determinados parâmetros universais, referimos números arredondados ou, por exemplo, médias. Assim, a velocidade da luz, no vácuo, não é exactamente de trezentos mil quilómetros por segundo, como correntemente se diz. Esse número é apenas uma aproximação (arredondada) ao valor real.
Utiliza-se esse número, por duas razões: uma, é que seria necessário precisar de que vácuo estamos a falar, para dizer da verdadeira velocidade da luz, nesse meio. Aquilo a que laboratorialmente chamamos vácuo, está ainda bem longe da ausência de matéria que se verifica nos vazios interestelares, ou mesmo nos vazios intergalácticos. Mas, mesmo nessas regiões, ainda não há o vácuo.
A outra é por razões de ordem prática. Em si, o número é apenas uma aproximação. De facto, a velocidade da luz, no vácuo, é de duzentos e setenta e sete mil quilómetros e mais uns tantos metros e ainda uns tantos centímetros... e aí por diante, em cada segundo!
Do mesmo modo, a distância Terra/Sol, não é de exactamente cento e cinquenta milhões de quilómetros. Esse número é apenas a média (arredondada) entre a distância máxima e a mínima, já que a Terra não descreve uma circunferência em redor do Sol, mas sim, uma elipse. O mesmo se passa em relação à Lua. O nosso satélite natural, também não descreve uma circunferência à volta da Terra, mas sim, uma elipses alongada. Daí que, por vezes, a Lua se encontre a pouco mais de trezentos mil quilómetros de nós, e outras vezes, essa distância vá até a mais de setecentos mil quilómetros.

terça-feira, 8 de junho de 2010

OS ASTERÓIDES



Os asteróides são feitos de material deixado desde a formação do sistema solar. Uma teoria sugere que são os restos de um planeta que foi destruído numa colisão massiva ocorrido há muito tempo. Mais provavelmente, os asteróides são matéria que nunca se uniu para formar um planeta. De facto, se se juntasse a massa total estimada de todos os asteróides num único objecto, esse objecto teria menos de 1.500 quilómetros (932 milhas) de diâmetro - menos de metade do diâmetro da nossa Lua.
Muito do nosso conhecimento acerca dos asteróides vem do exame das rochas e dos fragmentos do espaço que caem na superfície da Terra. Os asteróides que estão numa rota de colisão com a Terra são chamados meteoroides. Quando um meteoroide atinge a nossa atmosfera em alta velocidade, a fricção provoca a incineração desta porção de matéria espacial, provocando um raio de luz conhecido por meteoro. Se um meteoroide não arde completamente, o que resta atinge a superfície da Terra e é chamado um meteorito.
De todos os meteoritos examinados, 92.8% são compostos de silicato (pedra), e 5.7% são compostos por ferro e níquel; o restante é uma mistura dos três materiais. Meteoritos de pedra são os mais difíceis de identificar porque parecem-se muito com rochas terrestres.
Por os meteoritos serem matéria do início do sistema solar, os cientistas estão interessados na sua composição. As sondas espaciais que passaram pela cintura de asteróides descobriram que a cintura está bastante vazia e que os asteróides estão separados de grandes distâncias. Antes de 1991, a única informação obtida dos asteróides era de observações terrestres. Em Outubro de 1991, o asteróide 951 Gaspra foi visitado pela sonda Galileo e tornou-se no primeiro asteróide a ter fotos em alta resolução. Em Agosto de 1993 Galileo aproximou-se do asteróide 243 Ida. Este foi o segundo asteróide a ser visitado por sondas espaciais. Tanto Gaspra como Ida estão classificados como asteróides do tipo S, compostos por silicatos ricos em metais.
Em 27 de Junho de 1997 a sonda NEAR aproximou-se em alta velocidade do asteróide 253 Mathilde. Este encontro deu aos cientistas a primeira vista de perto de um asteróide do tipo C , rico em carbono. Esta visita foi única porque NEAR não estava preparada para encontros em voo. NEAR era uma sonda destinada ao asteróide Eros em Janeiro de 1999.
Os astrónomos estudaram vários asteróides por observações de Terra. Alguns asteróides notáveis são Toutatis, Castalia, Geógrafos e Vesta. Os astrónomos estudaram Toutatis, Geógrafos e Castalia usando observações de radar de Terra durante as maiores aproximações ao nosso planeta. Vesta foi observado pelo Telescópio Espacial Hubble.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

AS PRIMEIRAS LUZES DO UNIVERSO




O telescópio espacial Spitzer efectuou uma observação, durante 10 horas, na região da constelação do Dragão e pode ter detectado as primeiras estrelas do universo. Essas estrelas teriam existido há mais de 13 mil milhões de anos. Eram descomunais, com uma massa umas cem vezes a massa do Sol. Viveram apenas uns poucos milhões de anos, (como acontece a todas as que têm grande massa), antes de dar origem a buracos negros. Recorde-se que a idade estimada para o Universo é de 13,7 mil milhões de anos.
Esta hipótese surge porque a câmara de infravermelhos do Spitzer, detectou esse tipo de radiação, nessa região do céu. A luz agora identificada é a das primeiras estrelas ou de gases muito quentes a ser sugados pelos primeiros buracos negros do Universo.
.
Imagem: JPL - NASA

sábado, 29 de maio de 2010

Estória Breve dos Cometas



Excerto do meu novo livro, (Pág. 10).
"ESTÓRIA BREVE DOS COMETAS"
a sair em Junho
  -
 (…) Muitos dos (cometas) que vieram a seguir, foram associados a guerras e catástrofes e até, à ideia da destruição total da Terra.
Em 1531, Luísa de Sabóia, mãe de Francisco I, já na cama da morte, dizia fitando o cometa que estava no céu e que via através da janela: "Eis aí um aviso que não parece mandado a pessoas de baixa condição. Deus no-lo manda para nos advertir. Preparemo-nos para morrer."
William Shakespeare (1564–1616), na mesma linha de pensamento escreveu: "Quando os mendigos morrem não há cometas à vista: os próprios céus anunciam a morte dos príncipes."
Esta ideia de que os avisos do céu eram dirigidos às personagens mais importantes, vinha de longe. Pensa-se hoje que a astrologia datará de há mais de 15 milénios, na Mesopotâmia. Mas os primeiros astrólogos de que há registo, no Ocidente, são de há cerca de 4. 000 anos, quando foi estabelecido o Zodíaco. Estas práticas de adivinhação, provindas dos caldeus, espalharam-se pela Grécia, Babilónia e Roma. 
Os astrólogos ocuparam-se, nos seus inícios, de prever a sorte de monarcas e  países. (…) ,
Numa página do livro: 3 cometas
.