DILEMA

https://youtu.be/K_sAgzRbMu4

sábado, 4 de outubro de 2008

COMETAS (5)

.

O COMETA DO VINHO DO PORTO
.

Como dissemos num anterior artigo, os cometas têm suscitado uma onda de irracionalidade e superstição, ao longo dos séculos, tanto na crença em malefícios (principalmente), como em dádivas celestes, sempre que algum de maior porte é visível na abóbada nocturna.
Em Março de 1811, um astrónomo francês de nome Honoré Flaugergues, fez saber da existência dum cometa que haveria de mostrar-se de grande brilho, muito fácilmente visível a olho nu e que acabou por permanecer nos céus, durante nove meses! Dos últimos que se conhece, só recentemente, neste aspecto, foi ultrapassado pelo Hale-Bopp, que foi visível durante ano e meio, entre 1997 e 1998.
Por toda a Europa, o cometa aterrorizou, as populações. E Portugal não fugiu à regra.
No entanto, quis o acaso que, nesse ano de 1811, tivesse sido produzida uma colheita de Vinho do Porto de qualidade rara, classificada como vintage de 5 estrelas!
Logo associaram a excepcional qualidade do vinho ao aparecimento do cometa e ele foi considerado um bom presságio, muito embora nesse mesmo ano, tivessem caído as exportações do célebre néctar.
Mas a atribuição da denominação vintage passou a ser utilizada daí em diante. Chamaram-lhe Flaugergues, como haveriam de dar o nome de Waterloo, à de 1815, quando outro grande cometa fez a sua aparição.
Na Europa ele suscitou as atenção de Napoleão que o considerou como bom presságio para as campanhas na Rússia e que, afinal, foram desastrosas!
O cometa, em si, além do enorme espaço de tempo em que permaneceu visível, tinha outras características notáveis. A cauda estendia-se por mais de 150 milhões de quilómetos (a distância Terra/Sol), e a cabeleira ostentava um diâmetro de quase 2 milhões de quilómetros!
Um grande astrónomo da época, Herschel, conseguiu perceber que o núcleo destes astros está sujeito a uma rotação. E um outro, Argelander, calculou que a órbita do cometa Flaugergues tinha um período de 3.065 anos.
Este artigo também foi publicado, muito recentemente, no jornal Notícias de Lagos
Postar um comentário