DILEMA

https://youtu.be/K_sAgzRbMu4

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

OS SATÉLITES DE JÚPITER


Io é o satélite que se encontra mais próximo do planeta Júpiter e foi visto pela primeira vez por Galileu, com a ajuda da luneta que inventara. Os restantes três, descobertos pelo célebre físico, são Europa, Calisto e Ganimedes. O diâmetro de Io é de mil e seiscentos quilómetros, o que lhe confere umas dimensões semelhantes à da Lua. Mas, além de possuir um núcleo metálico e uma densidade elevada, deve ter um campo magnético, o que não acontece com o nosso satélite natural. Apresenta tons amarelos que podem ser de enxofre e fósforo, talvez em estado líquido. As fotografias colhidas pela sonda Voyager, porém, revelam qualquer coisa de inesperado, bem nítidas na gravura, colhida pela sonda. São visíveis vários vulcões em plena actividade, como o que se pode observar na orla do satélite, claramente expelindo magma e gases para a atmosfera. De tal maneira assim é que o astro se encontra envolto numa nuvem muito ténue que o envolve completamente e que têm sido observadas desde há poucas décadas. Nessa nuvem também foi detectado o cloreto de sódio.
Essas erupções vulcânicas devem-se aos efeitos da força atractiva de Júpiter e de dois dos outros satélites. Io é constantemente puxado na direcção desses vizinhos, particularmente o gigante Júpiter e sofre fortíssimos efeitos de maré. Esses efeitos de maré podem deformar a sua crosta até aos cem metros. O calor desenvolvimento é o responsável pelos fenómenos de vulcanismo.
.
Postar um comentário