DILEMA

https://youtu.be/K_sAgzRbMu4

segunda-feira, 7 de março de 2011

SUPER-NOVAS

Hoje, para variar,
vai um extracto do meu livro de ficção extraterrestre "Eram Dinossauros", 
onde aparece  uma descrição romanceada
do que é uma super-nova.
-

A implosão duma gigante é um acontecimento apocaliptíco, como Zstst frisara. Nada se lhe compara, em violência. É como se a estrela, à beira da morte irredutível, gritasse a vacuidade de ter vivido, o fim anunciado de todas as veleidades, num inferno de desespero, até à consumação do tempo. Mas a morte violenta duma estrela, é também o lodo de que Anaximandro diz ter sido feita a Vida numa infinidade de mundos donde evoluirão os homens que somos, a majestosa e mítica cleyera ochancea, o Lap-Tamo que, em tempos remotos, veio trazer frutos capitosos ao povo da Nova Guiné, o holoptychius do planeta biológico de Baleia, ou a hiperexótica ichthyostega sideral, cor de prata, dos lagos gelados do pulsar do Caranguejo.                            
Uma supernova é como se fosse um Big Bang, em miniatura. Mas mesmo assim suficiente para anunciar a Ressurreição. O calor e as forças reinantes no interior duma tal estrela, são quase infinitas – ou infinitas, mesmo!...–, se considerarmos a nossa pequenez, a dimensão das nossas vidas. O estertor final duma estrela agonizante anuncia o Caos e o Brama, a ressurreição de todos os elementos do Cosmos; e é esse adeus à vida, feito de pressões e temperaturas inimagináveis, que sintetiza os metais pesados. Eles são a utopia de todas as conquistas, com que mais tarde se há-de chegar à tecnologia e aos outros planetas das estrelas, e que fazem a balbúrdia das nossas vidas:
A prata e a platina; o chumbo, que os Romanos utilizavam para moldar em barro, a eternidade, no bronze das estátuas; o zinco; o cobalto tido como génio maléfico na mitologia germânica; o gálio que lembra o alumínio; o bismuto e o selénio, para fazer electricidade em pó; o níquel comum; o esguio mercúrio, com que Lavoisier concluiu que nada se cria, nada se perde; o estanho da lata; o cobre, para fazer tachos, fios, anéis de ouro, hélices, amuletos, moedas, cataplanas, alambiques, bugigangas; o cádmio, amante de neutrões lentos;  o estrôncio, primo do cálcio, que serve para pouco, a não ser para dar cabo dos ossos das criancinhas, em Hiroshima, ou no atol de Mororoa; o césio, pior ainda, maldito até à última geração; as luzes coloridas do crípton e do xénon; o zinco, das pilhas de Volta, e que, em menino, vi dar hidrogénio, em laboratório; o tântalo e o háfnio; o irídio, do museu de Sèvres e da fronteira C.T., onde se afogaram os dinossauros terrestres; o lantâneo, o cério, o neodínio, o promécio, o samário, o európio, o galodínio, o holmo, o túlio, o lutécio, que lembram os frutos exóticos de Tau Ceti; o paládio, que Pons julgou descobrir a pólvora; o ouro, da máscara de Toutakanon; o molibdénio, das lâmpadas e das rótulas; o térbio, com que se espera ir à Andrómeda pelo hiper-espaço; o tungsténio e o ósmio, e os outros todos, até ao urânio, na tábua de Mendlief, sintetizados no estertor final da gigante.                     
Tempo das estrelas e tempo dos átomos, este tempo cósmico onde vivemos a nossa vida! Ciclo macroscópico feito de pequenos nadas!
-
Somos efectivamente feitos do pó das estrelas!
-
Ou: "... como o climax fugaz que conduz o sémen redentor! " – na versão de Zstst, procurando trazer de novo, o discurso, ao tema que ali os reunira: "Do protoplasma às ondas-rádio".
   
.
Nota do autor: Zstst (um dinossauro dum planeta distante) 
é uma das principais personagens de  
"ERAM DINOSSAUROS", 
(a publicar).
Postar um comentário